Documentário ‘Muxima’, do cineasta Juca Badaró, conquista ‘Prémio de Melhor Roteiro’ no Festival de Cinema de Vassouras do Rio de Janeiro

A curta-metragem ‘Muxima’, realizado pelo cineasta e jornalista brasileiro Juca Badaró, foi distinguido com o ‘Prémio de Melhor Roteiro de Documentário’ da edição de 2022 do Festival de Cinema de Vassouras, no Rio de Janeiro, no Brasil. O filme, que foi rodado inteiramente em Angola em 2015, é inspirado numa das maiores manifestações religiosas angolanas, a ‘Procissão à Nossa Senhora da Muxima’.

O documentário de nove minutos aborda questões do colonialismo, memórias e tradições religiosas, fazendo um cruzamento das semelhantes experiências vividas pelo povo angolano e brasileiro ao longo do período colonial português e as marcas colónias que até hoje os povos acarretam.

A ideia da produção do filme, segundo conta o seu realizador Juca Badaró, surgiu após várias vezes ter participado das festividades da Nossa Senhora da Muxima, enquanto residia em Angola, tendo gravado durante dois dias a procissão, missas e peregrinação.

O projecto conta com a produção de cartaz de Renata Semayangue, locução de Carlos Capitango, tradução do kimbundu de Pedro Fernandes Lopes e tradução para o francês de Priscila Rosin.

Além do Festival de Cinema de Vassouras, ‘Muxima’ já foi seleccionado para exibição nos internacionais festivais de Clapperboard Golden Festival (2022), First-Time Filmaker Sessions by Lift-Off Global Network (2022) e aguarda por outras selecções em diversos festivais a que está inscrito.

Nascido em Salvador, no estado da Bahia, José Otávio Monteiro Badaró Santos, ou Juca Badaró, como é conhecido nas lides artísticas, coordena, desde 2017, junto com a produtora de cinema Renata Semayangue, o Cineclube Fruto do Mato, na cidade de Lençóis, na Chapada Diamantina, na Bahia. É director de filmes, pesquisador e jornalista.

Cineasta e jornalista Juca Badaró, na sua terra natal, Bahia

Formado em Comunicação Social-Jornalismo, Juca Badaró tem mestrado em Memória: Linguagem e Sociedade pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), especialização em Literatura Brasileira pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB), e actualmente pesquisa a obra literária do escritor Jorge Amado no Doutorado em Memória: Linguagem e Sociedade.

Seu filme “As cores da serpente”, foi o primeiro documentário gravado em Angola a entrar no circuito comercial do cinema brasileiro, em 2019. A longa-metragem foi exibida em pelo menos seis capitais do país e, em 2020, foi indicado ao Grande Prémio do Cinema Brasileiro, na categoria de Melhor Documentário.

Nok Nogueira

Nok Nogueira

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.