Isto É Notícia

China. Amnistia Internacional pede contenção perante os protestos

Partilhar conteúdo

A Amnistia Internacional (AI) pediu, este domingo, 27, às autoridades da China para que se contenham perante os protestos contra as restritivas medidas de prevenção da Covid-19.

“Em vez de penalizar o povo, o governo deveria ouvir os seus apelos. As autoridades devem permitir que as pessoas expressem os seus pensamentos livremente e protestem pacificamente sem medo de represálias”, afirmou a subdirectora regional da organização de defesa dos direitos humanos, Hana Young.

Cerca de mil pessoas protestaram, este domingo, junto à zona das embaixadas em Pequim, contra as restritivas medidas de prevenção da Covid-19 vigentes na China, enquanto alguns manifestantes criticaram directamente a governação do Partido Comunista Chinês (PCC).

Os protestos começaram com uma vigília com velas e flores, organizada em memória das vítimas de um incêndio na cidade de Urumqi, que causou dez mortos. A Amnistia pediu ao governo chinês uma investigação “rápida, efectiva e exaustiva” ao sucedido.

Imagens difundidas nas redes sociais do incêndio em Urumqi mostram que o camião dos bombeiros não conseguiu entrar inicialmente no bairro, já que o portão de acesso estava trancado, e que os moradores também não conseguiram escapar do prédio, cuja porta estava bloqueada, em resultado das medidas de prevenção epidémica.

Ao abrigo da política de ‘zero casos’ de Covid-19, a China impõe o bloqueio de bairros ou cidades inteiras, a realização constante de testes em massa e o isolamento de todos os casos positivos e respectivos contactos directos em instalações próprias, muitas vezes em condições degradantes.

Apesar das medidas, o número de contágios tem aumentado.

Os protestos em Pequim aconteceram após manifestações semelhantes em várias cidades do país, incluindo Xangai, Nanjing e Urumqi.

Segundo a Amnistia Internacional, dezenas de pessoas foram detidas nos protestos nocturnos de sábado e uma mulher foi detida em Urumqi por “difundir rumores”.

LUSA

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *