Haiti. Funeral do PR assassinado marcado por tiros e lançamento de gás lacrimogéneo

No Haiti a situação continua tensa e bastante volátil. Nem mesmo no dia do funeral do Presidente assassinado, Jovenel Moïse, o clima foi tranquilo. Nesta sexta-feira, 23, manifestantes incendiaram pneus e fizeram barricadas no local onde decorria as exéquias, perto da cidade nortenha de Cap-Haïtien, o que levou à pronta reacção da Polícia Nacional, que disparou tiros e jogou granadas de gás lacrimogéneo.

Decorria a homilia por Jovenel Moïse Moïse, que a cerca de 500 metros da entrada da residência familiar que acolheu o funeral, e os efeitos do do gás lacrimogéneo sentiam-se, bem como se ouviram tiros, muito mais evidentes no final da cerimónia, em rajadas de seis de cada vez, disparados pela polícia para abrir passagem às numerosas comitivas que saíam da propriedade.

A estrada para Cap-Haïtien estava bloqueada, pelo que era necessário tomar o caminho para a capital, Port-au-Prince, para conseguir chegar à cidade, num trajecto em que os disparos não paravam de soar à passagem dos veículos, tornando-se muito evidente o cheiro a pólvora.

O foco de tensão da jornada concentrou-se nas imediações do local onde se realizava a cerimónia, enquanto Cap-Haïtien permaneceu calma, depois de na quinta-feira as ruas terem sido barradas por barricadas em chamas ardendo por toda a cidade.

Na quinta-feira, foi celebrada uma missa na catedral de Cap-Haïtien que foi interrompida diversas vezes por apoiantes do Presidente assassinado exigindo justiça.

O chefe de Estado haitiano foi assassinado a tiro na sua residência, em Port-au-Prince, na madrugada de 7 de Julho, num ataque perpetrado por um comando armado composto por ex-militares colombianos, que entrou na moradia presidencial sem encontrar resistência por parte dos seguranças que deveriam proteger a vida de Jovenel Moïse.

No discurso esta sexta-feira proferido na cerimónia civil, a primeira-dama, Martine Moïse, que foi ferida a tiro no ataque, pediu justiça para o marido que, assegurou, foi “abandonado e atraiçoado”.

*Com a agência Lusa

Nok Nogueira

Nok Nogueira

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *