Isto é Notícia

Polícia rapta activistas em Cabinda para impedir manifestação

Partilhar conteúdo

Mais de 95 manifestantes, que pretendiam realizar uma manifestação pacífica em Cabinda, no último sábado, 11, foram raptados por efectivos da Polícia Nacional, momentos antes desta ter dado início, denunciou a organização não-governamental Omunga, em nota de imprensa.

A manifestação, que tinha como objectivo saudar o 73.º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos e denunciar os actos de violação de direitos humanos na província, ficou marcada por um plano de detenção dos activistas gizado e executado por agentes da Polícia Nacional, que se anteciparam aos promotores da manifestação, prendo-os.

A acção policial culminou com a detenção de pelo menos 100 manifestantes e tantos outros desaparecidos, que mais tarde foram postos em liberdade numa zona distante do centro da cidade, sem condições mínimas de regresso, de acordo com o comunicado da Omunga.

Porém, informações avançadas pela DW, nesta segunda-feira, davam conta que o coordenador da marcha, Alexandre Nsito, ainda se encontra incomunicável e em parte incerta, levantando suspeitas de que tenha sido torturado pelas forças policiais.

A Omunga considerou que atitudes desta índole deita por terra todo o esforço do executivo liderado pelo Presidente João Lourenço, classificando como “grave violação dos Direitos Humanos” a acção praticada pelas forças da ordem e segurança, por atentar contra o consagrado na Constituição da República de Angola.

Sob lema “Lutemos pelos Direitos Humanos no mundo, em particular Cabinda”, a manifestação tinha como palavras de ordem “Não às violações”, “Respeito pelas zungueiras e moto-taxistas” e “Stop prisões e detenções arbitrárias”.

Isto É Notícia

Related post

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *