IGAPE prolonga prazo de candidaturas para a privatização do Matadouro Modular de Malanje

O Instituto de Gestão de Activos e Participações do Estado (IGAPE) prolongou, nesta segunda-feira, 29, o prazo de apresentação de candidaturas para a alienação do Matadouro Modular de Malanje, para o próximo dia 6 de Dezembro. O acto terá lugar através de um leilão virtual, a ser realizado com o suporte da plataforma electrónica do Programa de Privatizações (Propriv).

De acordo com uma nota disponível no site do IGAPE, a submissão de candidaturas para a compra do referido empreendimento agro-industrial, ora carente de propostas — cujo término do prazo estava previsto para o passado dia 19 de Novembro —, passa agora para o dia 6 de Dezembro do corrente ano, até às 14h59.

Segundo o IGAPE, a iniciativa surge em reconhecimento das dificuldades demonstradas por algumas das entidades interessadas em participar do primeiro leilão electrónico online, para a privatização de activos ou empresas do Estado angolano. As dificuldades prenderam-se, sobretudo, com o manuseamento do referido portal até ao último minuto estabelecido para as candidaturas.

Quanto aos investidores interessados em visitar o empreendimento, a instituição responsável pela gestão dos activos do Estado recomenda que as visitas devam ser previamente agendadas mediante solicitação via e-mail, com a indicação dos dados de que pretende realizar, o activo que pretende conhecer e o número de participantes por cada entidade, não devendo ser superior a cinco pessoas, ficando os encargos, inerentes à deslocação, sob a responsabilidade dos interessados.

O referido leilão terá início à meia-noite do dia 7 de Dezembro e término no dia seguinte (8), às 14h59, pelo que as candidaturas devem ser efectuadas através do portal do leilão electrónico com o seguinte endereço: https://leilaoigape.minfin.gov.ao/.

Situado a dez km do centro da cidade de Malanje, o Matadouro Modelar é uma unidade de abate estatal, resultado das políticas levadas a cabo pelas entidades governamentais, com o objectivo de organizar a Rede Nacional de Abate.

A sua infra-estrutura foi erguida numa área vedada de aproximadamente um hectare, e conta com uma unidade de três módulos de abate, cada um constituído por contentores metálicos transformados para o efeito e com uma área coberta de 300 metros quadrados.

Dados do IGAPE indicam que, desde o lançamento do Propriv, isto em 2019, já foram privatizados seis empreendimentos agro-industriais, nomeadamente o complexo de Silos de Catete, o Entreposto Frigorífico de Caxito (onde consta também uma unidade de processamento de tomate e banana), bem como os matadouros modulares de Luanda, Porto Amboim (Kuanza-Sul) e Camabatela (Malanje).

Bernardo Pires

Bernardo Pires

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *