Angola vai receber de Portugal parte de meio milhão de vacinas da AstraZeneca que expiram em Outubro

Cerca de meio milhão de vacinas da AstraZeneca, que expiram no próximo mês de Outubro, vão ser doadas para utilização imediata em quatro países membros dos Países de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), incluindo Angola.

A informação foi avançada pelo coordenador da Task Force da Vacinação em Portugal, vice-almirante Gouveia e Melo, durante uma visita a um centro de vacinação, onde alegou o cuidado com a utilidade das vacinas como base da iniciativa de doação.

“Temos muito cuidado com isso e estamos a fazer a doação para que as vacinas sejam úteis o mais rapidamente possível a outros povos e outras nações”, observou.

Quanto à validade das vacinas, o vice-almirante Gouveia e Melo avançou que existem “cerca de meio milhão de vacinas”, todas da AstraZeneca, cuja validade “acaba no fim de Outubro” e estão a ser “doadas para utilização imediata”. “Não se vão desperdiçar vacinas”, garantiu.

Gouveia e Melo confirmou o envio de mais de 200 mil vacinas e adiantou que estão a ser enviadas mais, sem precisar a ordem desse envio e as quantidades já enviadas a cada um dos países beneficiários. Gouveia e Melo limitou-se a apontar, para além de Angola, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Cabo-Verde e Timor-Leste, como os primeiros beneficiários desta oferta.

Alegando urgência na doação das vacinas para a protecção das pessoas, o coordenador da Task Force disse que “o mundo precisa de ser vacinado” para evitar um efeito boomerang, alertando para o facto de o vírus vir a mutar e poder atacar mais tarde, quando todos se julgarem protegidos.

Para Gouveia e Melo, esta é uma altura única para Portugal mostrar “alguma superioridade ética” e ajudar o mundo mais pobre e mais subdesenvolvido a livrar-se também deste vírus”.

O coordenador da Task Force tranquilizou os portugueses, garantindo que as vacinas que ficarem no país europeu, além das que forem doadas, têm “validade até 2022”, por isso considera haver bastante tempo.

*Com Notícias ao Minuto

Adelino Kamongua

Adelino Kamongua

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *