Isto É Notícia

Somália. Governo diz que extremistas do al-Shabaab querem negociações

Partilhar conteúdo

O governo da Somália revelou este sábado, 7, que o grupo extremista al-Shabaab pediu, pela primeira vez, a abertura de negociações, no meio de uma ofensiva militar que o governo descreveu como “guerra total”.

“O al-Shabaab solicitou a abertura de negociações com o governo somali, mas existem dois grupos dentro de al-Shabaab”, disse o ministro-adjunto da Defesa Abdifatah Kasim, acrescentando: “O primeiro é constituído por estrangeiros e o segundo é de somalis locais. Estes têm uma oportunidade de abrir negociações, mas os estrangeiros que invadiram o país não têm direito a conversações. A única opção é regressarem ao local de onde vieram”.

Não houve nenhuma reacção imediata do Al-Shabaab, uma filial da Al-Qaeda que durante mais de uma década levou a cabo bombardeamentos de grande visibilidade na capital da Somália e controlou partes das regiões centro e sul do país, complicando os esforços para reconstruir o estado, após décadas de conflito.

Segundo Abdifatah Kasim, os membros somalis daquele grupo extremista “estão dispostos a render-se ao governo”, devendo seguir instruções e reintegrarem-se na sociedade.

Esta é a primeira vez que o governo da Somália diz que o grupo extremista solicitou conversações. Em Setembro, durante uma visita aos Estados Unidos da América, o Presidente somali, Hassan Sheikh Mohamud, afirmou que os extremistas não estavam dispostos a negociar, apesar da disponibilidade então manifestada pelo governo somali.

O al-Shabaab conta com milhares de combatentes, incluindo um número desconhecido de estrangeiros, tanto de países regionais como dos países vizinhos do Quénia. Os extremistas levaram a cabo vários ataques ao longo dos anos no Quénia, incluindo na capital, Nairobi, e numa base militar utilizada pelos Estados Unidos.

No horizonte do grupo al-Shabaab está a imposição de uma lei islâmica rigorosa na Somália e a retirada das tropas estrangeiras que operam no país. Os Estados Unidos têm uma presença militar na Somália para combater os extremistas, juntamente com a Turquia e uma força multinacional da União Africana.

Após a eleição no ano passado, o Presidente da Somália lançou uma ofensiva militar contra o al-Shabaab, contando com o apoio de algumas milícias locais que recuperaram o controlo de várias comunidades. Num discurso de Ano Novo, Hassan Sheikh Mohamud prometeu eliminar o al-Shabab este ano.

LUSA

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *