Isto É Notícia

Obras de Paulo Kapela marcam presença na 34.ª Bienal de São Paulo no Brasil

Partilhar conteúdo

As obras do falecido artista plástico angolano Paulo Kapela constam do leque de trabalhos da 34.ª Bienal de São Paulo, um dos mais célebres e antigos eventos de exposições de artes plásticas do mundo. São no total sete obras do autor, representado pela galeria Hall de Lima Collection, que podem ser apreciadas até ao dia 22 de Janeiro de 2023, no Museu de Arte do Rio, no Brasil.

O conjunto de obras, produzido nas técnicas de desenho, colagem, pintura sobre cartão, sobre tela e sobre papel, não têm título, transmitindo apenas emoções sociais, políticas, espirituais e religiosas.

A Bienal de São Paulo reúne periodicamente mais de mil e cem obras artísticas de 91 artistas vindos de 39 países de todos os continentes. Este ano, a Bienal de São Paulo comemora 70 anos de existência, sob o lema ‘Faz escuro, mas eu canto’, tema inspirado no verso do poeta Thiago de Mello.

No Rio de Janeiro, a exposição é organizada a partir do enunciado ‘Os retratos de Frederick Douglass’, e dela fazem parte os trabalhos de Paulo Kapela (Angola), Seba Calfuqueo (Chile), Tony Cokes (EUA), Anna-Bella Papp (Roménia), Arjan Martins (Brasil), Daiara Tukano (Brasil), Daniel de Paula (EUA), Deana Lawson (EUA), Frida Orupabo (Noruega), Gala Porras-Kim (Colômbia), Jaider Esbell (Brasil), Joan Jonas (EUA) e Noa Eshkol (Israel).

Nascido em 1947, no Maquela do Zombo, província do Uíge, Kapela expõe internacionalmente desde 1995, tendo participado em exposições importantes, tais como ‘África Remix’, que percorreu por diversos países, ‘Check-List Luanda Pop’, na 52.ª Bienal de Veneza, no ‘Luanda Smooth and Rave’, em França, ‘No Fly Zone em Lisboa’, na 2.ª Trienal de Luanda, e nos últimos anos expôs, individualmente, em Luanda, nas galerias Tamar Golan, ELA e no Centro Camões.

As suas obras integraram a circulação da exposição ‘Africa Remix’ (2004-2006) e ‘Réplica e Rebeldia’ (2006). Em 2003 recebeu o prémio CICIBA – Centro Internacional de Civilizações Bantu, em Brazzaville, e a sua obra está presente em diversas colecções nacionais e internacionais.

ISTO É NOTÍCIA

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *