Marrocos. Jornalista condenado à prisão suspende greve de fome

O jornalista marroquino Suleiman Raisuni, condenado a 9 de Julho a cinco anos de prisão num alegado caso de agressão sexual, suspendeu nesta quarta-feira, 4, a greve de fome que se prolongava há 118 dias, anunciou a sua defesa.

Milud Qandil, o advogado de Raisuni, disse à agência noticiosa Efe, citado pelo portal Notícias ao Minuto, que o repórter decidiu pôr termo à sua greve de fome — que iniciou para exigir a anulação das acusações — após uma petição da sua família e de activistas de direitos humanos.

A sua mulher, Julud Mujtari, disse à Efe que de momento a sua família ainda não tem a confirmação sobre a decisão do jornalista, apesar de sublinhar que Raisuni “se comprometeu em terminar com a sua greve a partir de hoje, mas com a condição de ser internado num hospital fora da prisão”.

Por sua vez, o director da administração penitenciária marroquina, Mohamed Saleh Tamek, emitiu uma declaração na qual refere que Raisuni não estava “numa greve de fome verdadeira”, não sendo necessário o seu internamento num hospital.

As autoridades marroquinas sempre negaram que Raisuni tenha cumprido greve de fome durante os 118 dias e indicaram em várias ocasiões que o jornalista consumia alimentos que supostamente comprava no interior da prisão.

O repórter, detido desde 22 de Maio de 2020, foi chefe de redacção do Ajbar al Yawm, o único diário crítico que continuava a ser impresso em Marrocos até ao seu encerramento em Março passado por asfixia financeira.

A 9 de Julho, Raisuni foi condenado a cinco anos de prisão pelo Tribunal de Apelo de Casablanca, o mesmo que dez dias depois sentenciou a seis anos de prisão outro jornalista, Omar Radi, por suposta violação de uma colega de trabalho.

Os factos que determinaram a condenação de Raisuni remontam a 2018, quando o jornalista efetuava uma reportagem sobre a comunidade homossexual e entrevistou o jovem A. A., que posteriormente o denunciou por violação, apesar de nunca ter sido esclarecido o facto de ter esperado dois anos para apresentar a queixa.

Radi e Raisuni negaram em tribunal todas as acusações, enquanto diversos activistas de direitos humanos têm referido que as crescentes acusações de “agressões sexuais” dirigidas a activistas e opositores são uma forma de as autoridades mancharem a sua imagem e justificarem as pesadas penas de prisão.

Desta forma, os apoiantes de Raisuni e organizações de direitos humanos (ONG) consideram que o verdadeiro motivo da sua perseguição está relacionado com as suas opções políticas vincadamente de esquerda e pelo seu trabalho no Ajbar al Yawm, e recordam que dois outros jornalistas deste antigo diário foram anteriormente perseguidos e detidos.

*Texto Notícias ao Minuto

Avatar

Isto é Notícia

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *