Inflação mensal desacelera 0,09 pontos percentuais em Junho e fica em 0,84%

 Inflação mensal desacelera 0,09 pontos percentuais em Junho e fica em 0,84%

O Índice de Preços no Consumidor Nacional (IPCN), instrumento usado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) para avaliar a variação do nível dos preços de bens e serviços no país, continua a registar uma diminuição nas variações mensais.

De acordo com os dados do INE, de Maio a Junho deste ano, a inflação variou 0,84%, uma desaceleração de 0,09 pontos percentuais, comparando com as variações mensais, ao passo que em termos homólogos (Junho de 2021 e Junho de 2022) verificou-se uma desaceleração de 1,46 pontos percentuais.

“A variação homóloga situa-se em 22,96%, registando um decréscimo de 2,36 pontos percentuais em relação à observada em igual período do ano anterior (Junho de 2021)”, lê-se no documento. Este é o valor mais baixo desde Agosto de 2020, altura em que a inflação estava nos 23,41%.

De acordo com a Folha de Informação Rápida do INE, no período em balanço, as províncias que registaram maior variação nos preços foram: Zaire, com 1,33%, Cunene, com 1,14%, e Kwanza-Sul, com 1,10%.

Em sentido contrário, isto é, as menores variações foram registadas nas províncias do Moxico, com 0,62%, do Uíge, com 0,67%, e do Bié, com 0,74%.

A consulta à FIR permitiu igualmente apurar que, das 12 classes de consumo divulgadas pelo INE, seis apresentam taxas de variação do Índice de Preços no Consumidor Nacional superiores à unidade. A classe ‘Saúde’ foi a que registou o maior aumento de preços, com uma variação de 1,78%; seguida da ‘Vestuário e calçados’, com 1,59%, ‘Mobiliário, equipamento doméstico e manutenção’, com 1,40%, e da ‘Bebidas alcoólicas e tabaco’, com 1,38%.

Quanto à contribuição por classes de despesa durante o mês de Maio, mais uma vez, a classe ‘Alimentação e bebidas não alcoólicas’ foi a que mais contribuiu para o aumento do nível geral dos preços com 0,42 pontos percentuais (50,46%), seguida das classes ‘Bens e serviços diversos’, com 0,08 pontos percentuais (9,91%); ‘Mobiliário, Equipamento Doméstico e Manutenção’, com 0,07 pontos percentuais (8,42%); ‘Vestuário e calçado’, com 0,06 pontos percentuais (6,68%), e a da Saúde, com 0,06 pontos percentuais (7,25%). As restantes classes tiveram contribuições inferiores a 0,06 pontos percentuais.

No caso da província de Luanda, a maior praça económica do país, o Índice de Preços no Consumidor Nacional (IPCN) registou igualmente uma diminuição na variação de 0,76%, de Abril a Maio de 2022, observando-se, de igual modo, uma desaceleração de 0,02 pontos percentuais, ao passo que, em termos homólogos (Junho de 2021 a Junho de 2022), registou-se uma desaceleração da taxa de variação actual de 1,48 pontos percentuais.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.