Bruno Fonseca inaugura exposição fotográfica sobre a “memória futura” das cantinas dos mamadous

O fotógrafo português radicado em Angola Bruno Fonseca inaugura nesta quinta-feira, 17, pelas 18h00, no Palácio de Ferro, em Luanda, a exposição ‘CAN-TI-NAS’, um projecto fotográfico descrito pelo próprio como sendo uma iniciativa de “memória futura”, que aborda essencialmente em retratos a vida laboral de migrantes oriundos sobretudo da África do Oeste, no seu ambiente natural de trabalho.

As cantinas são um “fenómeno comercial” que se proliferou por toda a cidade e zonas suburbanas de Luanda e de Angola a partir do início do novo milénio, o que levou ao surgimento de um conceito de lojas de proximidade também conhecido como ‘lojas dos mamadous’.

Em finais da última década de 1990, o “fenómeno cantina” surgia em contraponto às grandes superfícies comerciais e mercados informais, com a transformação de quintais, arrendamento de pequenos espaços em zonas suburbanas e o aproveitamento de espaços à entrada de edifícios urbanos para dar lugar a este novo negócio.

“Estas lojas distanciam-se uma das outras por poucos metros e são negócios, geridos normalmente apenas por homens, que na sua maioria são de origem Oeste africana, nomeadamente Mauritânia, Senegal, Gâmbia, Guiné-Conacri e Mali, apelidados pelo povo angolano como papá ou mamadou, e que já dialogam em português, apesar da forte pronúncia estrangeira”, descreve o fotógrafo Bruno Fonseca, que também actua como repórter fotográfico, cobrindo vários acontecimentos ao redor do globo.

A exposição “CAN-TI-NAS”, realizado entre os meses de Março e Abril de 2020, teve como “palco de observação” os bairros Hoji-Ya-Henda, Prenda e Fubu, tendo sido retratados migrantes dos seguintes países: República do Congo Democrático (RDC), Costa do Marfim, Guiné-Conacri, Serra Leoa, Mauritânia, Burkina Faso, Mali, Senegal e Eritreia.

Os retratos resultaram de uma observação quotidiano-laboral dos comerciantes que ali labutam e foram captados através do recurso a equipamentos digital e analógico, tendo sido utilizado para tal aparelhos como uma Canon 5 Mark II e uma Mamyia C220, e película Fuji Velvia ISO 100 120mm.

Impulsionado e apoiado pela Alliance Française Luanda e pela Omunga-Associação dos Direitos dos Migrantes em Angola, Bruno Fonseca propôs-se a constituir aquilo a que chama de “memória futuro” de um sem número de migrantes com duas décadas de história em Angola.

As cantinas são espaços comerciais onde são vendidos produtos básicos como cereais, arroz, fuba de milho, flocos, massa, óleo, feijão (geralmente por eles embalados a 1 kilo), detergentes, rebuçados, pastilhas, ovos, frango, iogurte, leite, fósforos, velas, sheltox [insecticida], dragão, bebidas não alcoólicas, entre outros.

A história dos mamadous em Angola confunde-se com a história dos migrantes comerciantes em vários países africanos. Por norma, quando saem do seu país de origem, vêm em busca de novas oportunidades e de melhores condições de vida. Muitos são os que procuram a sua sorte em terra alheia, e usualmente os homens vão à frente, criando as condições para que a sua família se junte a eles no país de acolhimento ou investimento.

Os mamadous raramente vêm sem contactos, tendo sempre um familiar ou amigo já dentro desta área de negócios, que é bastante restrita em termos legais. Têm um espírito de entre ajuda muito bem enraizado nas suas culturas e isso torna-se essencial para a sua segurança e manutenção neste ramo.

São estas histórias de vida que o fotógrafo Bruno Fonseca ajuda a contar a um público que pode visitar a exposição de 17 a 26 de Março do corrente ano, de terça-feira a sábado, entre as 10h00 e as 18h00, com entradas gratuitas.

Avatar

Isto é Notícia

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.