Isto É Notícia

Artistas angolanos participam da 1.ª Bienal de Fotografia Africana em Espanha

Partilhar conteúdo

Os artistas angolanos Januário Jano, Edson Chagas, Mónica de Miranda participam, desde o dia 3 de Novembro até 29 de Janeiro de 2023, no ‘Ozangé’ — a primeira Bienal de Fotografia Africana de Espanha, cuja finalidade centra-se na promoção de uma reflexão sobre os continentes africano e europeu.

Produzido pelos centros culturais La Térmica e La Malagueta, ‘Ozangé’ centra-se em torno de uma série de exposições, encontros e diálogos com artistas com os quais se ampliam fronteiras territoriais de partilha e de reflexões sobre a fotografia.

O Centro Cultural de La Malagueta alberga, desde 3 de Novembro, 36 trabalhos de artistas africanos e europeus oriundos de mais de 20 países.

O percurso desta proposta expositiva abre seis secções diferentes, das quais Edson e Mónica Miranda fazem parte da secção ‘Pangéia’, na qual os artistas irão colocar em perspectiva os conceitos territoriais e fronteiriços aplicados pelo ser humano.

Já Januário Jano, um outro nome das artes plásticas angolanas, fará parte da categoria ‘Aparências-Trazer à Luz’, que traz uma reflexão sobre o “continente africano e dos próprios afro-descendentes e a forma como costuma ser carregada de conotações negativas, ignorância e lugares-comuns”.

Esta bienal tem o compromisso de destacar o trabalho das mulheres fotógrafas e nutrir a história da fotografia a partir de outras narrativas, a fim de contrariar uma história da arte que, muitas vezes, ofuscou as contribuições das mulheres, promovendo a sua invisibilidade em favor das figuras masculinas.

‘Ozangé’ representa uma ponte entre a criação artística e o olhar do público, proporcionando novos desafios e oportunidades. “É a África que se apresenta, que se vê, que conta a sua história, que é actriz e já não está sujeita ao olhar ocidental”, lê-se na nota explicativa da exposição, que acrescenta:

“No entanto, encenar-se, contar a sua história, apresentar-se, é definir-se. Esse processo de redefinição constante da identidade africana contemporânea é o que torna a fotografia do continente emocionante”.

ISTO É NOTÍCIA

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *