Nigéria. Tribunal islâmico manda prender dez celebridades por “conduta imoral”

 Nigéria. Tribunal islâmico manda prender dez celebridades por “conduta imoral”

Um tribunal islâmico no norte da Nigéria ordenou à polícia que prendesse dez celebridades locais por “conduta imoral” nas redes sociais porque poderiam influenciar a juventude, noticiou esta quinta-feira a agência de notícias France-Presse (AFP).

De acordo com um funcionário judicial citado pela agência, os artistas, que incluem uma popular cantora de hip-hop, uma famosa actriz de cinema e oito influentes TikTokers, são acusados de cantar e dançar canções “imorais” e partilhá-las online.

Apesar da sentença, nove dias depois da decisão do tribunal islâmico ainda nenhum dos arguidos tinha sido detido: “Estamos à espera que a investigação policial esteja concluída antes de decidirmos o que fazer a seguir”, disse Baba-Jibo Ibrahim.

A decisão do tribunal islâmico simboliza as medidas rigorosas frequentemente utilizadas pelas autoridades do norte da Nigéria, predominantemente muçulmano, para regular o conteúdo dos meios de comunicação social e das redes sociais e forçar os utilizadores a seguirem as tradições e normas religiosas.

A lei Sharia funciona em paralelo com o direito penal e civil nos 12 estados do norte do país, de maioria muçulmana.

A cidade de Kano, no norte do país mais populoso da África subsaariana, é o lar de uma próspera indústria cinematográfica chamada ‘Kannywood’, que produz mais de 200 filmes por mês em Hausa, uma língua falada na região e em vários países da África Ocidental.

É também o lar de centenas de estúdios de música para artistas locais, que frequentemente falem nas suas obras de temas de amor, casamento e dinheiro.

‘Kannywood’ é vigiado de perto por clérigos e líderes muçulmanos que suspeitam da promoção de valores estrangeiros e não islâmicos, levando as autoridades a criar um conselho de censura que também escrutina as redes sociais, dada a sua distribuição generalizada.

“Não permitiremos que ninguém se esconda atrás da ubiquidade das redes sociais para espalhar conteúdos imorais”, disse Ismail Na-Abba, chefe do conselho de censura de Kano, citado pela AFP.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.