U.S. President Joe Biden speaks during an event at the Royal Castle, amid Russia’s invasion of Ukraine, in Warsaw, Poland, March 26, 2022. REUTERS/Aleksandra Szmigiel

Joe Biden diz que Rússia estrangulou a democracia e alerta para uma “longa batalha pela frente”

O Presidente dos Estados Unidos da América (EUA) discursou em Varsóvia, capital da Polónia, sobre a guerra na Ucrânia e acusou o Presidente Putin de “não ser um grande estudante de história”.

Joe Biden terminou a sua visita à Polónia, depois de reunir com ministros do governo ucraniano. Depois de ter elogiado o esforço humanitário da Polónia no acolhimento de refugiados, Biden citou no seu discurso, em Varsóvia, o Papa João Paulo II, que nasceu em Cracóvia, e fez uma referência à “batalha da liberdade” na Cortina de Ferro e na resistência em Berlim, durante a Guerra Fria.

O Presidente dos Estados Unidos da América considera que a guerra na Ucrânia é também “uma batalha entre a liberdade e a repressão, entre a democracia e a autocracia”, mas alertou que a guerra será longa e “não será vencida em dias, nem sequer em meses”.

As referências à luta contra o comunismo soviético nos países do Leste europeu foram constantes, com o líder dos Estados Unidos da América a afirmar que os ataques do regime russo à liberdade de expressão ecoam esses tempos do século XX.

“A Rússia estrangulou a democracia”, rematou Joe Biden.

Vladimir Putin tem justificado a invasão na Ucrânia com o propósito de “desnazificar” o país, que considera ser um berço de ideologias nazis. No entanto, apesar de afirmar que não estão a ser alvejadas zonas residenciais, a verdade é que a guerra tem atingido maioritariamente a população civil ucraniana, com várias acusações de crimes de guerra contra os russos nos tribunais internacionais.

Biden voltou a vincar que a NATO é uma aliança defensiva, mas classificou a justificação de Putin como “obscena”: “Sob falsos argumentos de solidariedade étnica, ele invalidou as nações vizinhas. Putin tem a lata de dizer que está a desnazificar a Ucrânia, mas isso é uma mentira, é cínico – e ele sabe disso.”

Mencionou ainda a descendência judaica do Presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, e deixou claro que os EUA ajudarão o povo ucraniano. “Estamos convosco, ponto.”

“O povo russo não é nosso inimigo: não são vocês que matam inocentes e bombardeiam hospitais e escolas. Isto não são acções de pessoas de bem. Os americanos estão convosco, com o povo da Ucrânia que quer a paz”, afirmou.

Aviso à navegação russa: não atacar “nem um centímetro” da NATO

O líder americano também deixou um aviso que tem vindo a ser repetido pelo secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, sobre as ameaças russas a países da NATO na região.

Biden deixou claro que as tropas russas não devem entrar “nem um centímetro” em território da NATO, ou enfrentarão “rápidos e dolorosos custos”.

Em mais uma referência ao passado mal-sucedido da União Soviética, Joe Biden afirmou que Putin “não é um grande estudante de história”, por ter tornado nesta guerra um “falhanço estratégico da Rússia”. “Por amor de Deus, este homem não pode ficar no poder”, apelou.

*Texto Lusa

Avatar

Isto é Notícia

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.