Isto é Notícia

Egipto e China pedem a cidadãos para deixarem imediatamente a Ucrânia

Partilhar conteúdo

As autoridades do Egipto e da China pediram, este domingo, aos cidadãos dos seus países para que deixem imediatamente a Ucrânia, devido ao perigo que representa a guerra no país.

A Embaixada do Egipto na Ucrânia publicou um alerta aos seus cidadãos para que deixem o país com efeito imediato.

O jornal Egypt Today referiu este domingo que diplomatas egípcios pediram também aos cidadãos do Egipto para que tenham “o máximo de cautela durante a sua partida e fiquem longe de áreas perigosas”.

Por seu turno, tanto o Ministério dos Negócios Estrangeiros como a Embaixada da China em Kiev pediram aos cidadãos chineses na Ucrânia para que “melhorem as precauções de segurança e de saída”, segundo um comunicado, citado pelo jornal oficial chinês Global Times, que avança que a embaixada vai ajudar a organizar a retirada de pessoas necessitadas.

As autoridades chinesas reconheceram o seu apoio à integridade territorial da Ucrânia contra a invasão russa, mas defendem meios diplomáticos para pôr fim ao conflito, enquanto acusam os Estados Unidos de supostamente provocarem Moscovo para iniciar uma guerra em larga escala.

Nas últimas horas, a Embaixada da Sérvia na Ucrânia fechou temporariamente por motivos de segurança, segundo uma mensagem publicada na página da internet da missão diplomática.

“A equipa diplomática continuará a trabalhar desde Belgrado até que se cumpram as condições para regressar à Ucrânia”, refere a mensagem.

A Rússia invadiu a Ucrânia a 24 de Fevereiro deste ano, desencadeando uma guerra que mergulhou a Europa naquela que é considerada a mais grave crise de segurança desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa — justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia — foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

LUSA

Related post

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *