Crédito malparado do BPC atinge os 80% e afunda resultado líquido do sector

A percentagem do crédito malparado concedido à RECREDIT pelo Banco de Poupança e Crédito (BPC), em 2020, chegou aos 80%, valor que influenciou de forma negativa o resultado líquido do sector bancário nacional, que registou um decréscimo de 237% face a 2019.

O estudo da Deloitte Angola ‘Banca em Análise’, referente ao ano de 2020, refere que o rácio de crédito vencido reduziu para os 27,4%, sendo que em 2019 foi de aproximadamente 37,3%. Caso não fosse considerado o BPC, seria observado um rácio de crédito vencido de 15,4% e de 17,8% em 2019 e 2020, respectivamente.

O vice-governador do Banco Nacional de Angola (BNA), Rui Miguéns, explicou que o resultado líquido negativo do BPC resulta do facto de o banco público ter de assumir imparidades de transferências dos seus créditos para a RECREDIT. Porém, o responsável acredita que nos próximos tempos ainda poderão prevalecer resultados negativos, garantindo que só a “médio prazo o banco poderá vir a recuperar e começar a dar resultados positivos”.

Rui Miguéns reconheceu que o banco está a passar por dificuldades, no entanto, asseverou que a administração e os clientes estão empenhados para que volte a prestar os serviços de que a economia precisa.

De acordo com Rui Miguéns, que falava à margem da 15.ª edição do ‘Banca em Análise’, “as necessidades de recapitalização do BPC precisam de ser constantemente avaliadas, porque o banco continua a operar e todos os meses teremos de fazer esta avaliação”. Entretanto, adiantou, que o BNA já tem uma ideia de como será recapitalizado, estando um estudo em fase de conclusão, pelo que os resultados serão apresentados em breve.

Jaime Tabo

Jaime Tabo

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *