Angola vai contar com um sistema de pagamento instantâneo dentro de 30 dias

Com vista a garantir as transações interbancárias entre entidades financeiras bancárias e não bancárias, o país vai contar com um sistema de transferências ou pagamentos instantâneos a partir do próximo mês, anunciou, nesta terça-feira, 31, em declarações à Agência Lusa, o administrador executivo da Emis, Pedro de Abreu.

Pedro de Abreu, que falava no Fórum de Inclusão Financeira para o Desenvolvimento, avançou que a Emis vai ser um operador do sistema de transferências instantâneas, realçando que o sistema se encontra em fase de testes, devendo as primeiras operações iniciarem no final do próximo mês, “ainda num piloto controlado”.

“Trata-se de um sistema que irá agregar as entidades financeiras bancárias, assim como as entidades financeiras não bancárias, ou seja, os prestadores de serviços de pagamentos, e a sua versão mais simples é permitir a transferência de fundos entre estes prestadores de serviços, ou seja, sejam bancos, sejam não bancos, e dessa forma servir de plataforma de inter-operabilidade”, explicou.

Segundo o administrador, com esta iniciativa existe uma base para se assistir ao desenvolvimento cada vez maior e o surgimento de cada vez mais iniciativas de pagamentos móveis, “a juntar às iniciativas dos bancos que são muito importantes”.

“Sou de opinião que a banca tradicional de facto não dá a resposta de que precisamos”, salientou o responsável, acrescentando que esta iniciativa vai trazer mais soluções para os prestadores de serviços que aderirem.

Com este sistema será possível, destacou Pedro de Abreu, o acesso à rede de ATM (caixas automáticas) para levantamento de dinheiro de carteiras móveis, o acesso à rede de pontos de venda dos comerciantes, ter acesso a todos os sistemas de serviços e pagamentos ao Estado que a EMIS possui, entre outros benefícios.

“Nós, neste processo como operador, temos um desafio que é o de desenhar o regulamento deste sistema e ao desenhar o regulamento criarmos regras de como é que estes prestadores de serviços têm que se ligar, mas também como as pessoas de serviços têm que se relacionar com os seus clientes. Também estaremos atentos a isso”, frisou.

O administrador executivo da Emis garantiu que o sistema de transferência instantânea e a plataforma de inter-operabilidade terão custos baixos. “Precisamente porque sabemos para dar resposta ao desafio da inclusão financeira”, indicou.

A implementação desse novo sistema é de iniciativa do Banco Nacional de Angola, com o objectivo de dar maior segurança e eficiência aos sistemas de pagamento, mas também aumentar os níveis de inclusão financeira”, bem como desenvolver cada vez mais os pagamentos móveis, que contavam na altura com cerca de um milhão de aderentes em todo o país, disse, em Janeiro deste ano, o governador do Banco Nacional de Angola, José de Lima Massano.

José de Lima Massano destacou, na altura, que com este sistema vai ser possível realizar transacções entre diferentes plataformas de prestações móveis, procedimento semelhante ao funcionamento dos cartões de débito da rede multicaixa, em que as operações são realizadas independentemente do banco emissor do cartão.

Sistema de Pagamento Instantâneo é uma forma de liquidação de bens e serviços pela internet entre organizações financeiras, comerciais e usuários da internet.

*Com a Lusa

Avatar

Isto É Notícia

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.